quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Cartas de Gandhara

Seria muito gratificante se todos aqueles que acusam a minha fé e a minha doutrina de serem deturpadas e outras coisas que não convém dizer, lessem e entendessem esse texto.


Meu colega neste blog e grande amigo, Alisson, não possui a mesma crença que eu e, mesmo assim, sempre conversamos sobre religião e Deus, sem ofensas nem acusações. Seria tão difícil aceitar o próximo do jeito que ele escolheu ser...?

"Se todos derem as mãos, quem sacará as armas?!" (Bob Marley)

Peço humildemente que leiam...

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Devaneia o poeta acerca da dor

Não é por que minha dor é silenciosa
que minha raiva não queira lhe gritar
Ver a minh'alma assim tão dolorosa
eu sei, não te fará reconsiderar

Não é por que meu sofrimento dura pouco
que seja menor do que o teu
Eu só não fico correndo como louco
atrás, senão, de quem Deus me prometeu

A minha dor é lancinante
Imensa, pois, não me julgues
Pareço, mas não estou distante

Seria melhor se antes soubesses
que sou poeta e inconstante
Pois deste mal também padeces

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Meu vídeo

Todos os créditos estão no próprio vídeo. Música é Let it Be - The Beatles; versão para o filme Across the Universe, direção de Julie Taymor, distribuído por Sony Pictures. O texto teve de ser editado, a versão completa se encontra por aqui no blog. O início do vídeo não tem áudio porque não 'bateu' com a duração do texto e quando eu escolho uma trilha sonora tem que ser aquela! Espero que gostem, porque deu muito trabalho!
video

update: se não conseguirem assistir aqui, vai...
http://www.youtube.com/watch?v=aFwiiN87aZM

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Aqui

Aqui
Eu nunca disse que iria ser
A pessoa certa pra você
Mas sou eu quem te adora

Se fico um tempo sem te procurar
É pra saudade nos aproximar
E eu já não vejo a hora

Eu não consigo esconder
Certo ou errado, eu quero ter você
Ei, você sabe que eu não sei jogar
Não é meu dom representar

Não dá pra disfarçar
Eu tento aparentar frieza mas não dá
É como uma represa pronta pra jorrar
Querendo iluminar
A estrada, a casa, o quarto onde você está

Não dá pra ocultar
Algo preso quer sair do meu olhar
Atravessar montanhas e te alcançar
Tocar o seu olhar
Te fazer me enxergar e se enxergar em mim

Aqui
Agora que você parece não ligar
Que já não pensa e já não quer pensar
Dizendo que não sente nada

Estou lembrando menos de você
Falta pouco pra me convencer
Que sou a pessoa errada

Eu não consigo esconder
Certo ou errado, eu quero ter você
Ei, você sabe que eu não sei jogar
Não é meu dom representar

Não dá pra disfarçar
Eu tento aparentar frieza mas não dá
É como uma represa pronta pra jorrar
Querendo iluminar
A estrada, a casa, o quarto onde você está

Não dá pra ocultar
Algo preso quer sair do meu olhar
Atravessar montanhas e te alcançar
Tocar o seu olhar
Te fazer me enxergar e se enxergar em mim
Em mim... Aqui

Ana Carolina