sábado, 11 de junho de 2011

Amar ou não amar - eis a minha indecisão

Eu costumava achar que fazer o tipo romântico era ser o homem certo. Demonstrar meus sentimentos e ser carinhoso era merecer a mulher amada. Agora, não sei mais. As tantas voltas que o globo dá estão deixando-me tonto.
Aquele clichê de três palavras perdeu seu sentido. Ou talvez não tenha perdido, mas tão-somente mudado seu significado. Não se faz amor como antes.
Mostrar o quanto gosto de alguém é o mesmo que pedir para ser judiado, pisoteado, usado e, então, esquecido. Posso estar exagerando e até generalizando um pouco, entretanto, a experiência diz que estou certo.
Eu nasci no século errado, penso. Ser cavalheiro é ser antiquado, fazer valer as juras é tentar mudar a ética moderna – se é que posso chamar assim. Em uma década em que o valor dos sentimentos é medido como valor, literalmente, e a beleza física dita as prioridades da conquista, eu estou deslocado.
Será que é realmente tão bom usar e ser usado, depois – invariavelmente – descartado? Vale o esforço? Por que só pode ser bom, já que está “na moda”.
E eu pergunto “onde está a verdade em meio a isso tudo?” em vão, já que ninguém responde. Talvez por não saber, talvez por não entender, enfim.
Dizem-me que a esperança é a última que morre e eu não devo deixar de ser romântico e cantar o amor verdadeiro por achar que não adianta de nada. Pode ser que estejam certos, ou não. A verdadeira questão que me atormenta é se vale a pena continuar lutando contra a maré. Deixo de ser quem eu sou em prol de alguma paixão, quiçá, um relacionamento ou continuo assim, romântico e solitário, aguardando por uma mulher que (ainda) dê valor à minha espécie?
Essa dúvida talvez demore a ser elucidada, mas uma coisa é certa: romântico ou não, o sofrimento virá!

Um comentário:

Mr.Celedonio disse...

Olá passando para avisar que indiquei seu blog para receber um selo!
Passa lá no "O fichário" e pega!

Abraço, Mr.Celedonio